terça-feira, 29 de novembro de 2011

Tem Crente que esquece

Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.
Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?
E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?
Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus. 
Mateus 5:43-48

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Em busca da felicidade que não existe


A felicidade é o objetivo da busca eterna e universal que vem ocupando a mente humana desde os primórdios da criação. As pessoas podem diferir em suas perspectivas políticas e religiosas, filosofias de vida, perfis psicológicos, cultura e raça, mas todos, sem exceção, querem ser felizes. A felicidade é a meta do pobre e do rico, do erudito e do ignorante, do santo e do pecador, do ateu e do crente, do ascético e do indulgente. É por causa da felicidade que aspirantes espirituais oram, trapaceiros trapaceiam, açambarcadores açambarcam, caridosos entregam-se à caridade, bêbados bebem, ladrões roubam e penitentes se arrependem. Almejando felicidade uns se casam, outros se divorciam, alguns cometem suicídio e outros se tornam homicidas.

E no entanto, a perseguição à felicidade resulta numa tentativa caótica, absurda, infrutífera. Ninguém tem certeza de como alcançá-la. Nenhum ramo de estudo nos trouxe qualquer conhecimento a respeito do segredo da felicidade. A religião enfatiza a salvação e a filosofia, a busca da verdade. Os moralistas falam a respeito do dever e os psicólogos nos pedem que enfrentemos e convivamos com a infelicidade. Os cientistas pouco se importam com nossos sentimentos e os economistas dão valor tão-somente à riqueza e prosperidade. Nenhum deles se dedica ao problema da felicidade.

Em busca da felicidade as pessoas freqüentemente se comportam de forma estranha. Alguns ficam felizes quando os outros estão felizes, alguns são felizes quando os outros são infelizes e existem até mesmo aqueles que são felizes quando eles próprios são infelizes. Uns têm esperança de comprar a felicidade enquanto outros há que tentam usurpá-la do próximo. Há aqueles que buscam alcançar a felicidade através do domínio, pelo poder; outros, no apego às coisas. Desta forma, estamos todos, constantemente, perseguindo a felicidade ao invés de sermos felizes. Não admira, portanto, que nasçamos chorando, vivamos nos lamuriando e morramos frustrados.

Swami Adiswarananda


O cara que escreveu o texto a cima foi muito “feliz” em sua visão e opinião, pois somos pessoas que vivem em busca de uma felicidade que na verdade não existe, achamos que se conquistando coisas iremos alcançar a felicidade, como dizem alguns, o importante é ser feliz.

Na minha opinião Jesus nos deixou umas boas dicas no sermão do monte, coisas do tipo, felizes os pobres de espíritos, os mansos, diz que o negócio é pagar com o bem o mal que recebemos e mais um monte de coisa que vai contra a nossa velha frase, “o importante é ser feliz”.

Jesus não veio pra te fazer ficar sorrindo o tempo todo, ou fazendo você sair por ai dizendo que encontrou a felicidade, pois na verdade o que encontramos em Cristo é sentido para viver sem a “felicidade” que o mundo nos oferece, mas vivermos com a alegria de conhecermos o Deus que nos concede misericórdia e muito amor, mesmo que não mereçamos. A vida não faz sentido sem Cristo, sem fazermos suas ações, sem o imitarmos.

Saiba quem é Cristo, ele não trará e felicidade que você acha que ele tem para oferecer, mas ele te dará razão de viver se começar a imita-lo.


Jackson Vieira

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Sobre Polemicas

Nos últimos tempos o meio evangélico tem conseguido levantar assuntos mais polemicas do que mamilos (risos). Sinceramente, parece que nós evangélicos não temos o que fazer, protestamos e respondemos os homossexuais, ateus e mais um monte de gente que tenta viver sua vida. Tornamos-nos um povo chato que acha que ser luz é julgar e não amar, alias as vezes acho que somos o povo mais cheio de ódio que existe, ou será que organizar protestos contra outras pessoas é demonstra amor.

Penso que ainda não conseguimos entender que o mundo jaz no maligno, que não somos nós que mudamos as pessoas, esquecemos que de tudo o mais importante é o amor e é disso que o próximo precisa, Deus quer te usar para levar seu amor, não ódio e julgamento, simplesmente o amor de Deus que esta em nós, isso mudara as pessoas.

Talvez seja a hora de pararmos de encher a internet de porcaria, brigas, discórdias e começarmos a fazer coisas muito mais úteis ao Reino de Deus, quem sabe parar de usar as redes sociais pra fica dando indiretas e diretas cheias de ódio e rancor.

A minha oração é pra que nós que nos dizemos Cristãos venhamos ficar inquietos com a miséria do mundo, que essa nossa indiferença venha ser substituída por angustia e tristeza pelos nossos pecados e pelo pecado do mundo.

Que o Senhor os angustie muito.

Jackson Vieira.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Palavrantiga - Rookmaaker (Acústico)

Ola meu amigos Fazia tempo que não postava algum video por aqui. Esse video é de uma musica da banda Palavra Antiga, uma banda que ainda não é tão conhecida como as tradicionais bandas Cristãs, mas recomendo que ouçam as musicas dessa galera.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Sugestão de Livro


Ola meus amigos

Finalmente consegui terminar de ler um dos livros mais interessantes, realistas, hereges e as vezes confuso, que é o livro A Bacia das Almas de autoria de Paulo Brabo.

Paulo Brabo, que esta a dez anos sem assistir um culto evangélico, leva seu leitor a pensar sobre o evangelho que vive, de fato joga muitas verdades na nossa cara e nos prova através do verdadeiro evangelho que talvez praticamente todos nós não estamos nem perto de imitar Jesus como de fato deveria. Confesso que me incluo nesse grupo gigantesco de pessoas que esta deixando a desejar, por que me escondo atrás das palavras que escrevo no facebook , twitter e no blog, mas não sei quantas vezes pratiquei ao pé da letra todas as palavras e ações de Jesus, alias não conheço ninguém que as pratique por completo.

Este livro desafia toda teologia, tudo que você esta acostumado a ler e escutar. Quando você tiver coragem e se sentir preparado pra ser questionado e desafiado, leia esse livro.

Sei que alguns vão ler e dizer que tem muita coisa que é impossível de concordar. De fato alguns pensamentos que estão escritos neste livro não posso aceitar e tomar como verdade, dentro do que penso encontrei sim algumas heresias, mas pode ser também que Brabo esteja certo.

O livro é um ajuntamento dos artigos que Paulo Brabo postou em seu blog,  A Bacia das Almas, por isso as vezes nos deixa um pouco confusos.

É isso ai gente, espero que caso não concordem com os pensamentos do Brabo, não me julguem, pois também não concordo com tudo que ele escreve, mas com muitas coisas sou obrigado a concordar e na verdade preferia não saber que são verdadeiras.


Jackson Vieira.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Temporais

Nós, protestantes, teremos mais cedo ou mais tarde de enfrentar a seguinte questão: devemos entender a Imitação de Cristo no sentido de que devemos copiar sua vida e, se é que posso usar essa expressão, simular seus estigmas; ou no sentido mais profundo de que devemos viver nossas próprias vidas de forma tão verdadeira quanto ele viveu a sua em todas suas implicações? Não é coisa fácil viver uma vida modelada na de Cristo, mas é indizivelmente mais difícil viver nossa própria vida de forma tão verdadeira quanto Cristo viveu a dele.

Carl Jung

Catei do livro A Bacia das Almas.

Deixa a vida me levar, vida leva eu...


Cristão ou não, você, assim como eu, já ouviu pelo menos o refrão da famosa musica do cantor Zeca Pagodinho, Deixa a vida me levar.

Fico pensando pra onde a vida pode nos levar, não sei se alguém realmente consegue ficar, como dizem alguns, “de boa na lagoa” e deixar a vida levar, até por que temos que tomar decisões importantes. Na verdade, é você quem faz as escolhas, por isso, sei la onde você vai parar seguindo o conselho do Zeca, quem sabe ela te leve pra uma vida boa mesmo, numa praia, acordando tarde todo dia, tendo tudo o que quer sem fazer muito esforço, ou pode te levar pro buraco, pra miséria... alias acho que pra qualquer lado que a vida nos leve, ela vai acabar nos levando pra miséria, seja financeira ou espiritual.

Salomão, provável escritor de Eclesiastes, que por sinal é um livro da bíblia, diz neste livro no capitulo 11, que devemos fazer o que é bom enquanto a tempo, ou seja, se ele estivesse vivo não seria muito fã do Zeca Pagodinho. Salomão (ele era o mais sábio da sua época) de forma muito sabia nos instrui a abrir os olhos e agir, fala pra ajudar ao próximo hoje, por que talvez amanhã é a gente que pode estar ferrado, escreve que se uma arvore cair para um lado ali ela vai ficar, no versículo quatro ele diz que quem fica esperando que o vento mude e que o tempo fique bom nunca plantará, nem colherá nada, por fim, nos aconselha a fazer todos os desejos do nosso coração, parece até meio que pensamento do Zeca, só que o Zeca não ta nem ai se trará Deus a juízo tudo que fizermos.

Precisamos tomar muito cuidado com nossa vida e nossos desejos, não deixe a vida ou seu coração te guiar, peça ajuda ao Espírito Santo, que através dos seus pensamentos te guiará aos estranhos, desconfortáveis, mas sempre melhores caminhos.

Jackson Vieira.